blog Eric Alatza

A Bandeira do Brasil

13/12/2014 por Eric Alatza

 

Tenho que começar este post escancarando minha admiração pela nossa bandeira. Sempre achei a Bandeira do Brasil linda demais! E correndo risco de contradizer minha explicação abaixo, acho ela moderna, com um “patcha” design, alegre e com uma “vibe” serena sensacional. Curto muito também a simbologia popular(entenda a “real” mais abaixo) do “verde das nossas florestas, amarelo de nossas riquezas…” Bom, essa é minha reação visceral, ok?

Dito isso, sempre quando olho para a Bandeira do Brasil me vem a euforia inicial mas depois o incômodo. Sim, me vem um baita incômodo, principalmente ao ler o lema “ORDEM E PROGRESSO”. Como? Quê? Onde tem ordem e progresso nessa joça? Vocês estão de palhaçada, né? Vejamos todas as contradições:

– Em qual momento deste país se viu ordem ou progresso realmente consistentes e dignos de uma bandeira nacional? Nem precisa ser os dois ao mesmo tempo, e aí, quando? Se pensarmos na atual conjuntura então, o lema óbvio seria “CAOS E REGRESSO”. A bagunça é generalizada, ninguém está nem aí, as instituições ou funcionam mal ou funcionam a favor da corrupção. Além disso, estamos andando para trás democraticamente, economicamente, socialmente, culturalmente e bota vários outros “mentes” aí.

– O verde de nossas florestas? Quais? As que acabaram ou as que estão quase lá? Tipo a Amazônia, que sofre com um desmatamento absurdamente cruel, irresponsável e ignorante? Isso sem falar no meio ambiente como todo.

– O amarelo de nossas riquezas? Quais? As que a galera está metendo a mão? As riquezas que estão indo para o bolso de uma corja de pilantras?

– Azul celeste do céu? Aqui em São Paulo pelo menos é que não é, meu irmão.

Bom, está aí o que me incomoda e indigna em na Bandeira do Brasil que, paradoxalmente, continuo achando linda demais. Imagino que você até compartilhe da minha indignação ou pelo menos está pensando a respeito agora. Se for só este o caso, pule o “Contexto Histórico” abaixo, vá direto para “Como Devemos Enxergar a Bandeira do Brasil” e tenha um bom dia, estamos juntos.

Agora, talvez assim como eu, você tenha curiosidade em saber, na real, como nossa bandeira foi criada, por que ela é como é e mais, como o “ORDEM E PROGRESSO” foi parar lá. Foi coisa do “marqueteiro” da época? Eles realmente achavam que existia tanta ordem e progresso na nação e nas almas de seus brasileiros contemporâneos? Ou alguém colocou isso lá como um fim, um ideal a ser perseguido pelos brasileiros? Essa última hipótese era minha aposta, otimista. Descubra abaixo se eu estava certo.

 

Contexto Histórico

Vou tentar encurtar o negócio aqui já que muita gente não gosta de História(mas deveria). Vou me concentrar apenas no que ficou na bandeira até hoje e como foi parar lá, ok?

A versão atual da Bandeira do Brasil, a republicana,  manteve as duas principais características da Bandeira do Império do Brasil, criada por Jean-Baptiste Debret em 1822 a pedido de D. Pedro I, após a independência(D. João VI já tinha pedido ao Debret em 1820, mas vamos assim para não complicar). Na bandeira imperial, Debret criou um losango amarelo sobre um campo verde e um brasão no centro(o qual não vou detalhar aqui). O verde representaria a cor do dragão do brasão dos Braganças, família de D.Pedro I e o amarelo simbolizaria a casa dos Habsburgo-Lorena, da qual fazia parte D. Leopoldina. E por que um losango? Debret teria se inspirado nos estandartes regimentais do Primeiro Império Francês. Faz sentido já que Bonaparte favorecia neoclássicos como o Debret.

Após a Proclamação da República em 1889, e depois de uma bandeira dos EUA versão tupiniquim bem fraquinha, Raimundo Teixeira Mendes, Miguel Lemos e Manuel Pereira Reis apresentaram o projeto da bandeira que conhecemos hoje. Os dois primeiros eram da Igreja Positivista, ou seja, seguidores do pensamento e, posteriormente, religião criados pelo filósofo francês Auguste Comte. O lema da religião Positivista é “O Amor por princípio e a Ordem por base; o Progresso por fim” de onde derivou-se o lema “ORDEM E PROGRESSO” colocado na Bandeira do Brasil pelos Positivistas.

De acordo com o Positivismo, na minha interpretação, o progresso humano e sua regeneração moral e social é o objetivo perseguido exclusivamente através da ciência e do que se pode ser observado, nada de metafísico. Tudo é apoiado no próprio ser humano. Acho que minha aposta otimista foi correta. Me parece que, para esses caras, a ordem e o progresso deve ser um ideal a ser perseguido pelos brasileiros. Fecho fácil se essa é a ideia.

Agora olha que sensacional e curioso ter isso na nossa bandeira. Um lema totalmente apoiado no ser humano como único motor do seu destino, num país onde noventa e todos por cento da população acredita em algum tipo de deus ou força metafísica. E outra, para progredirmos devemos nos basear na ordem e ter a ciência como meio. De novo igualzinho ao Brasil.

Adiante, O campo verde e o losango amarelo foram mantidos e explicados em decreto como um símbolo de perpetuidade e integridade da pátria, independente da forma de governo. Interessante notarmos o decreto de 18 de setembro de 1822 de D. Pedro I que institui o laço nacional “(…)verde de primavera, e amarello de ouro(…)” e as palavras do mesmo “representavam a riqueza e a primavera eterna do Brasil”. Bom, as palavras do Pedrão poderiam ser um belo de um paninho. Uma jogada populista da época para não gerar descontentamento do povo sobre o lance das cores das casas nobres explicadas acima. De qualquer forma, mantiveram o losango amarelo sobre o campo verde na versão republicana da bandeira e sua explicação popular é a que “pegou”.

Já o círculo azul da versão bandeira republicana é mais fácil de explicar, está até em lei, “As constelações que figuram na Bandeira Nacional correspondem ao aspecto do céu, na cidade do Rio de Janeiro, às 8 horas e 30 minutos do dia 15 de novembro de 1889 (doze horas siderais) e devem ser consideradas como vistas por um observador situado fora da esfera celeste.” Muito louco isso, né? Uma viaaaagem… serena, mas científica… Por que não? A bandeira do Moçambique que tem um fuzil AK-47? Preferiria? Não, né?

As estrelas, você já deve saber, representam os estados. Estas podem aumentar ou diminuir em número conforme a criação ou extinção de estados.

 

Como Devemos Enxergar a Bandeira do Brasil

Enxergue a Bandeira do Brasil com alegria, euforia e responsabilidade. Olhe o verde e saiba que nossa natureza não tem como se defender de nós mesmos. Olhe para o amarelo e aja contra todo o crime que não só delapida o dinheiro do seu trabalho, mas também as nossas riquezas naturais e conquistadas. Leia “ORDEM E PROGRESSO” e aprenda o meio e o objetivo para um Brasil melhor. Aprecie o céu azul estrelado com serenidade e força na certeza que outros milhões de brasileiros são como eu e você.

Estamos juntos!

Olha ela aí! A danada é bonita!

Olha ela aí! A danada é bonita!

Share on FacebookTweet about this on Twitter

Comentários

  • Dina disse:

    É tão clara a sua visão de como pessoas corruptas e sem escrúpulos estão fazendo com nossa Bandeira.
    Que interessante a história da criação da Bandeira brasileira. E que mensagem de força para que não desistamos de nosso País.

  • Escreva um comentário ou resposta.

    Seu e-mail não será gravado. campos obrigatórios (*).