blog Eric Alatza

Mude de ideia

19/01/2015 por Eric Alatza

 

Quero partir do princípio que o “mude de ideia” deste post significa:  Mude, atualize e expanda suas ideias, conceitos, opiniões, pontos de vista e juízos. Ok? Então vamos lá.

Às vezes, as pessoas tem um comportamento onde a medida de uma boa ideia é o quanto ela aguenta de pé, mesmo quando confrontada por ideias melhores, a melhor ideia seria aquela que é gritada mais alto, com mais teimosia ou até mais agressividade. Você deve ver isso frequentemente, certo? Este comportamento “protecionista” de ideias não é um sinal de inteligência, mas sim de teimosia, ignorância, preguiça mental, ou tudo isso ao mesmo tempo. E o pior, muitas vezes no’s não reparamos, quando somos nós mesmos que temos esse comportamento.

Nossa inteligência é muito importante e valiosa para ficar engessada, sem dúvida é o que temos de melhor em nossa condição de seres humanos – incluo aqui a inteligência emocional. Devemos ter flexibilidade e a disposição para mudar de ideia. Isso não significa que qualquer ideia nova que chegar aos seus sentidos deve imediatamente tomar o lugar de outra que já esteja na sua cabeça, mas se você chegar a conclusão de que ela é melhor que a anterior, deixe ela entrar e ficar, mas não deixe-a muito confortável.

Além de sermos confrontados por ideias de outras pessoas, pense como uma ideia é formada na sua cabeça, seja por alguma influência externa, “brotando” inconscientemente ou ainda baseada em algo novo que você aprendeu, as ideias parecem sempre se apoiar em informações(novas ou velhas), lógica/raciocínio e valores. Ou seja, pegamos informações que acabamos de aprender ou que já estavam em nossas cucas, usamos nosso raciocínio para trabalhar essas informações e se nossos valores aprovarem o processo e resultado, a ideia é formada.

Mas como esse processo pode ser enfraquecido resultando em más ideias ou ideias fracas? Se temos pouca informação, obviamente falta matéria prima para criar uma boa ideia. Se temos preguiça de botar nossa lógica ou raciocínio para funcionar e aceitamos algum raciocínio pronto a ideia já veio enlatada e isso não é bom pois você não parou para pensar em seu conteúdo. Se nossos valores são distorcidos, há grande chance de a ideia ser criada mais distorcida ainda e isso é um perigo. Ninguém está livre de ter más ideias ou ideias fracas, isso também é de nossa condição humana, é o aprendizado e o amadurecimento. Ou seja, é um processo de evolução, criar ideias e substitui-las se e quando ideias melhores aparecem em nossas cabeças ou no mundo ao nosso redor.

Então como garantir a criação e/ou a entrada de novas boas ideias em nossas massas cinzentas? Informe-se mais, melhor e por conta própria. Tenha mais disposição para pensar na informação que você assimila, lê, ouve etc. Tenha bons valores para medir as suas ideias e as ideias de outros. Agora, esse último é um pouco mais complicado, discutir o que é um bom valor é um questão mais subjetiva já que um valor pode ser bom para um e não para o próximo. De qualquer forma, uma maneira de sempre ter os melhores valores possíveis é pedir a ajuda do bom senso, ou seja, aquela balança dentro da sua cabeça que diz o que é certo ou errado, bem ou mal, bom ou mau. E se por ventura, uma nova ideia sacudir um ou mais de seus valores, não entre em pânico, deixe seu bom senso te pegar pela mão e vocês podem decidir juntos se aquele valor merece ser mudado ou abandonado. Se vocês decidirem que sim, pense nisso como um bônus e não resista tanto à mudança.

Em resumo, mude de ideia. Faça isso informando-se mais e melhor, sem preguiça de pensar e deixando sempre seu bom senso ser o juiz dos seus valores.

Aproveite e deixe sua ideia abaixo e se seu bom senso aprovou a minha, compartilhe!

Share on FacebookTweet about this on Twitter

Comentários

  • Simone disse:

    Muitas vezes quando ia expor minhas ideias sentia medo de ser confrontada, ou mau compreendida ou ainda passar por ridícula. Então preferia guarda-las e trabalhar comigo mesma, mas depois pensava “poxa, devia ter exposto minha ideia!”. Sabe aqueles momentos que você perde por não te falado? Por não ter debatido, quem sabe não teria aprendido mais.
    Hoje penso que muitas ideias não são para serem totalmente mudadas mas recicladas. Você pode ter muitas ideias que não deram certo ou que não foram bem aceitas, aí você vai lá e procura saber mais, ler, debater, e no final, quem sabe, PLIM!, uma nova nova ideia, mas não tão nova assim, afinal de contas partiu de uma que não se sabia se iria dar certo, então na busca por saber você a reciclou (ou não).
    Sei lá, não sei se tem haver com o seu texto, mas me fez pensar nisso agora, fragmentos de ideias quem sabe…
    Si

    • Eric disse:

      Sim Simone, tem tudo a ver com o texto. Inclusive logo no começo digo que mudar de ideia deve ser encarado de uma forma mais aberta incluindo reciclarmos, atualizarmos e expandirmos nossas ideias. Uma ideia não deve cair só por que uma nove chegou, mas sempre devemos estar abertos a avaliar novas ideias e quem sabe mudar as nossas.

  • Si disse:

    Mas e quando ideias estão ligadas a conceitos? Eu acho um assunto tão amplo… mudanças de ideias, querer ou tentar fazer que outros mudem, ou você mudar, se pode estar ligada ao que a pessoa acredita, ao que ela crê…entende?
    Não sei se estou saindo do foco do seu assunto mas penso que envolve muito mais coisas.

    • Eric Alatza disse:

      Na verdade você acertou o foco em cheio, o que eu tento apontar neste post é exatamente não engessarmos nossas ideias. Neste contexto incluo conceitos, juízos, opiniões etc. Não digo no post que devemos obrigatoriamente mudarmos de ideia, mas sim que não podemos justamente nos sentir presos a elas. A “ideia” aqui é estarmos abertos.

  • Si disse:

    Que bom, mas acho que o assunto vai longe ainda.

  • Escreva um comentário ou resposta.

    Seu e-mail não será gravado. campos obrigatórios (*).