blog Eric Alatza

Está na hora de você fazer as pazes com a política

03/02/2015 por Eric Alatza

 

É extremamente chata? É.

É complicada? Bastante.

Só tem vagabundos? É o que parece.

Mesmo assim está na hora de você fazer as pazes com a Política e se tornar parte da solução que você tanto cobra. O fato é que não podemos contar com algum herói, nem mesmo um anti-herói como o Chapolin. Aceite, ninguém irá nos defender e ninguém deve além de nós mesmos, o povo brasileiro.

Temos uma percepção etérea da Política, como se a mesma fosse um ambiente estanque, distante, além da sociedade, abstrato, poderoso e unilateral. Mas a pior das qualidades que atribuímos, como cidadãos,  à Política é o paternalismo. Bom, lendo essa afirmação parece até que estamos falando de uma monarquia absolutista mas é mais ou menos por aí que agimos. Nós, cidadãos eleitores, só participamos da política na hora do voto e olhe lá. Depois do voto, tocamos nossas vidas e torcemos para que estes seres poderosos eleitos por nós façam um trabalho irretocável pela sociedade, com muita ética, eficiência e um sorriso no rosto. Afinal, estamos pagando muito bem para eles fazerem isso, certo? Eles deveriam ser nossos heróis.

Errado! Essa fórmula simplesmente não funciona, não só aqui mas no mundo todo. Se o cidadão não participa a Política não funciona para uma nação ou seus cidadãos. E quando não dá certo? O que fazemos? Reclamamos… Com os políticos? Não, entre nós mesmos. “Político é tudo igual”, “Política é uma mer…”, “É tudo farinha do mesmo saco.” Mas espera aí, o que você esperava? Nós damos carta branca para os caras, pagamos uma belíssima grana para eles, esperamos que eles cuidem de uma fortuna que é nossa, largamos os caras lá por quatro ou oito anos e quando, finalmente e obviamente, eles fazem besteira ou roubam, nossa única reação é fazer bico e torcer para que algum “herói” apareça, “Alguém tem que fazer alguma coisa, ninguém faz nada com esses caras.”

Meu amigo, minha amiga, esse alguém é só você, mais ninguém. E já te adianto uma coisa, nas próximas eleições que vem aí não espere grandes nomes salvadores, grandes heróis que lutem por nós. Isso é só seu lado emocional e sua esperança tentando ocupar o lugar da sua responsabilidade que a preguiça ou outra desculpa não deixa. Mesmo que existam alguns políticos muito competentes e interessados em fazer o bem ao Brasil, eles enfrentarão MUITA resistência e lama para desempenharem um bom papel, e nisso também temos responsabilidade.

Nossos políticos, em sua grande maioria, não valem um centavo furado mas isso não quer dizer que o sistema político democrático que escolhemos é ruim. Só o fato de ele ser democrático já diz quase tudo. Nossas sistema político precisa de ajustes? É óbvio que sim e mais uma vez nós, cidadãos, temos papel fundamental nisso. Ou você quer abandonar todo o sistema e deixar que um general cuide de tudo? Que tal um rei ou uma rainha? Que tal uma ditadora comunista? Quem sabe um ditador fascista? Se você vive no século XXI e tem o mínimo de bom senso sua resposta é não para qualquer uma dessas opções.

Não espere que alguém assuma sua responsabilidade por você, não espere que ninguém venha te salvar. Seja um cidadão ou uma cidadã e assuma seu papel ativo na fiscalização, na discussão, na cobrança, no rumo e no objetivo da Política brasileira. Desde sua cidade, passando por seu estado, pelo país como um todo e até ao papel do Brasil no mundo.

Obviamente você está pensando, “Bonito tudo isso, mas eu tenho que tocar minha vida e nem saberia o que fazer mesmo.” Bom, pensando nisso criei algumas sugestões abaixo para você se politizar um pouco mais, nada terrivelmente chato, não vai consumir quase nada do seu tempo e pode te ajudar e ajudar o país todo:

– Não deixe de votar!

O voto no Brasil é obrigatório, mesmo assim só no segundo turno da última eleição presidencial, cerca de 30 milhões de eleitores não votaram (fonte: TSE). Isso é 10 vezes mais que a diferença entre Dilma e Aécio. Eu pessoalmente, conheço três pessoas que não votaram pois não atualizaram as cidades onde votariam. Um décimo das pessoas que não votaram poderiam ter mudado o resultado da eleição, pense nisso. Seu voto “obrigatório” porém espontâneo vale tanto quanto um voto de um eleitor que recebeu R$10,00 para votar em alguém que mandaram. Este eleitor foi votar enquanto você ficou com preguiça de ir regularizar sua situação. O país pode estar sendo comandado por alguém que você reprova e até odeia só porque você marcou bobeira.

– Informe-se!

Você não precisa ser um expert em política mas quaisquer cinco minutos que você gastar lendo um artigo, not;iria ou uma coluna ao invés de gastar MAIS  cinco minutos no seu “face” já ajuda muito. E não vale dizer que você lê as manchetes que aparecem no seu “timeline”. Buscadores como o Google, Yahoo e Bing são seus amigos, digite lá “Congresso”, “O que faz um parlamentar”, “Como um ministro do STF é escolhido” e você terá muitas informações valiosas à sua disposição. Escute todos sem teimosia ou ignorância, você pode aprender muito sobre o que acha certo e o que acha errado, não tenha medo de mudar de ideia e seja sempre o juiz ou juíza do que fica em sua cabeça.

– Discuta, participe do debate!

Discutir e debater a nossa Política é uma das melhores ferramentas para aprimora-la. Inicie a discussão com sua família e amigos, participe de debates em redes sociais. Procure não ficar simplesmente “ecoando” o que todo mundo já sabe, isso faz parte mas também é importante evoluir nos temas. Não tente simplesmente “vencer” uma discussão, mostre argumentos baseados nas suas ideias e lembre aos outros que eles devem fazer o mesmo sem desrespeitar quem está no debate. Todos tem direito a sua opinião e ninguém é obrigado a engolir a opinião do outro. No fundo temos mais coisas em comum do que diferenças, afinal todos concordam que corrupção é um câncer na Política, que nossos serviços públicos são péssimos, que o país não tem um rumo etc, certo?

– Não esqueça deles!

Escolha seus candidatos baseando-se no que você aprendeu, discutiu e sente que é melhor. Não se esqueça em quem você votou. Esquecer é o pior sintoma de que você não acompanhou absolutamente nada do que seu candidato eleito fez, para o bem ou para o mau. Hoje existem ferramentas como a memória cívica (veja/Abril) que te ajudam a lembrar e acompanhar seus candidatos.

– Cobre e Fiscalize!

Praticamente todos os políticos estão em alguma rede social. Além disso, muitos tem sites e absolutamente todos tem e-mail(oficiais de seus cargos, inclusive). Num intervalo de uma novela, de sua série favorita, depois do almoço antes de você voltar ao trabalho, em seu horário de responder e-mails ou qualquer outros cinco minutos você pode mandar seu recado contundente a um político. E não precisa ficar com medo, essa sensação de que eles são tão poderosos é só porque somos muito molengas e permissivos. Rasga o verbo!

– Vá para a rua!

Essa ficou por última pois é a única que apresenta um pouco mais de dificuldade. Eu reconheço que é mais difícil ir para a rua especialmente durante a semana, mas o que eu posso te dizer é que vale muito a pena e faz muita diferença. É na rua que você sente realmente como o povo unido é forte e ninguém segura. Não tem momento nenhum que você se sente mais cidadão que este, quando você vê um monte de pessoas que pensam como você quando você achava que era o único, como sua voz ganha força, como você dá força a outras vozes. É sensacional e realmente cutuca os políticos, não importa o que digam. Não participe de nenhum ato violento, mostre sua cara e faça parte de uma manifestação gerada por causas que você defende e que está sendo mobilizada de forma espontânea, sem nenhum vagabundo pago por interesses que levantam bandeiras que não são a bandeira do Brasil. Faixas e cartazes devem conter mensagens práticas sobre o que você defende, não dê a chance para a mídia e os políticos dizerem que sua mensagem era “difusa” ou “vaga”. Vá para a rua nem que seja como expectador, no mínimo você terá muito mais informações para construir suas opiniões. Convide sua família e amigos, em todas as manifestações em que estive não vi sequer um objeto ser arremessado e a polícia garantiu a segurança dos manifestantes. A maior manifestação em que estive contou com mais de 30 mil pessoas e apesar da Imprensa preferir não se envolver eu garanto que todos saíram de lá mais fortes, com mais cidadania e influenciam outras dezenas de milhares de pessoas pelo caminho.

Seja seu próprio herói ou heroína, faça as pazes com a Política e garanta um melhor nível de políticos no Brasil. Precisamos nos mudar como povo e mudar os políticos, não a Política.

 

Share on FacebookTweet about this on Twitter

Comentários

Escreva um comentário ou resposta.

Seu e-mail não será gravado. campos obrigatórios (*).